sexta-feira, 29 de maio de 2009

EVT, Actividades de sala de aula IV

Desenhos para T-Shirts...

(...)"A Educação Artística nas escolas deve permitir que a criança se exprima livremente, de forma a exteriorizar os seus sentimentos, ideias e emoções.
Através das cores e das formas, a expressão plástica não se limita a comunicar apenas mensagens convencionais mas também algo de muito pessoal, que pode levar a alterar códigos conhecidos. Inovar é transformar, numa constante relação entre o conhecido e o desconhecido, o consciente e o inconsciente, a razão e o instinto.
No campo das artes plásticas, tanto as obras figurativas como as abstractas são significativas na medida em que se referem a algo que reflecte a afirmação do homem perante o mundo. "(...)

(Rodrigues, Dalida D´Alte; 2002; p. 14 - A Infância da Arte, A Arte da Infância - Porto, Edições ASA)

Partindo destes presupostos, foi fornecida aos alunos uma folha com alguns rabiscos aleatórios pedindo-lhes que os completassem. Dos resultados obtidos foi-lhes seguidamente pedido que escolhessem o que mais lhes agradasse, e, através do método de ampliação por quadrícula, que escolhessem um pormenor do desenho para ampliar.
Estes foram alguns dos resultados obtidos, que depois de pintados e concluidos foram aplicados em t-shirts, constituindo-se este o produto final da actividade: Uma T- Shirt «fixe» para o Verão!

terça-feira, 12 de maio de 2009

OPINIÃO - Visita de Estudo ao Museu Berardo

Foto: The Journal of Mytic Arts: News & Reviews
A relação entre a Escola e o Museu constitui um factor determinante na abertura dos horizontes culturais das crianças e adolescentes e, consequentemente, na promoção de um maior sucesso escolar.
O museu gerador de sensações é um museu bem-vindo para a Escola. O «ver», o «ouvir» e o «sentir» são processos indissociáveis da condição humana e necessitam de ser estimulados de forma a que seja promovida uma participação recíproca entre a Escola e o Museu.
Tendo em conta a visita de estudo ao museu Berardo neste ano lectivo, apresento seguidamente a opinião da Filipa Almeida do 6ºAno, Turma A, que nos dá a sua visão acerca da exposição « Não te posso ver nem pintado».

Obrigado Filipa! :)

A visita ao museu foi, para mim, uma grande surpresa.
Sabia que existia, nada mais. Desconhecia até o facto de Paula Rego lá ter alguns quadros (entrei na sala e disse: «Aquilo só pode ser Paula Rego.» E acertei).
O museu Berardo é um museu de Arte Contemporânea, a que costumo chamar «realismo abstracto». O próprio interior do museu é um exemplo de modernidade. Confesso a minha falta de jeito para observar pinturas, esculturas e afins, mas reconheço o talento de quem o tem. Por exemplo, quadros com a cara de uma pessoa. Só isso, nada mais. Parece óbvio, mas no entanto, mais ninguém o fez.
Observando o interior do museu, percebe-se bem que o objectivo é apoiar a arte contemporânea. Descobri (algo que deve ser óbvio para alguns mas que para mim só agora o é), que a arte recente é muito mais abstracta do que a antiga. Esta última consiste principalmente em arte sacra.
Apreciei os quadros que misturavam imensas cores (à primeira vista parecem rabiscos), mas também os que tinham apenas uma cor predominante. No fundo, quadros brilhantes!
Depois, a Paula Rego, uma pintora sempre real, sempre visionária, sempre genial, sempre…Paula Rego!
Senti algum desgosto em constatar que a maior parte dos meus colegas não concorda comigo, achando que aquilo é tudo um monte de rabiscos (falamos de arte ao seu mais alto nível…)!Uma visita que vale a pena, sem dúvida!