quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

A.P. Actividades de Sala de Aula

Construção de caixas-ninho
E porque o inverno avança, agora com um pouco menos de chuva e um sol tímido a dar sinais da sua graça, resolvi fazer, com uma turma de 5º Ano, umas caixas ninho no âmbito da Área Curricular não Disciplinar de Área de Projecto, tendo em conta a temática apresentada à turma.
As caixas-ninho destinam-se a beneficiar as aves cavernículas, isto é, aquelas que constroem os seus ninhos em cavidades de árvores ou edifícios. De entre estas, merecem uma atenção especial, aquelas que se alimentam quase exclusivamente de insectos contribuindo desse modo para o controle de muitas pragas.
Na construção das caixas-ninho iremos estar atentos ao tamanho e às preferências das espécies que queremos beneficiar, assim como a sua segurança e tranquilidade.
Optámos pela construção de três tipos de caixas-ninho: ninho tipo caixas de correio para Chapins; ninho tipo caixas de correio para a Poupa e Mocho-galego e caixa ninho semi-aberta para o Pisco-de-peito-ruivo, Alvéolas, Rabiruivo- preto e Papa-moscas-cinzento, por estas serem algumas das espécies que visitam o nosso espaço escolar, agradavelmente povoado de árvores e outros esconderijos verdes.

Eis os passarinhos:

Poupa (Aves de Portugal www.blogdosbichos.blog.sapo.pt)

Mocho-Galego (www.aproveitaodiaaosegundo.blog.sapo.pt)

Pisco de peito ruivo (www.olhares.br.olhares.com)

Alvéola branca (br.olhares.com/alveola-branca_foto3055548.html)

Rabiruivo preto (carduelis.blogs.sapo.pt/)


As caixas-ninho irão ser construídas com tábuas de madeira não tratada com cerca de 2 cm de espessura.
As tábuas irão ser cortadas com as medidas indicadas nos quadros 1,2 e 3.




Quadros 1, 2 e 3 adaptados (J.Lima)
No caso dos ninhos tipo caixa de correio, será feito um orifício na tábua da frente, com as medidas indicadas dos quadros 1 e 2.
Depois da abertura estar feita, deverá ser aperfeiçoada com uma grosa de forma a retirar os restos de madeira e lascas as quais poderão dificultar a entrada e saída das aves.
No caso das caixas-ninho semi-abertas, na parte da frente deverá existir uma abertura com as medidas indicadas no quadro 3.
Seguidamente proceder-se-á ao encaixe de todas as placas de madeira, conforme mostra a foto seguinte, com pregos e parafusos.
As placas não irão ser coladas a fim de drenarem livremente a água que se poderá infiltrar durante grandes chuvadas.

E porque a passarada não espera pelas futuras casa novas, há que meter mãos à obra e colocá-las nas árvores até ao princípio do mês de Fevereiro, o mais tardar, para que possam receber os seus hóspedes.
Por agora ficamos por aqui, mas irei dar mais notícias sobre este projecto, à medida dos resultados obtidos.
A malta encontra-se entusiasmada!!!

Toda a informação sobre a construção dos ninhos foi gentilmente cedida por:
Tiago Lopes, Licenciado em Eng. de Recursos Naturais e Pós-graduado em Gestão e Conservação da Natureza; Maria Gorete Lopes, Licenciada em Gestão Turística e Cultural
http://caminhoscomvida.blogspot.com/
http://www.caminhoscomvida.com

1 comentário:

isabel victor disse...

Gostei de ler ...

Vi ninhos deste tipo em Troia. Achei curioso


abraço


iv